Quando Jesus esteve entre nós, pregou, ensinou, operou milagres, andou sobre águas, ressuscitou mortos, foi julgado, condenado e crucificado. Nunca escreveu nenhuma palavra, nunca pintou ou construiu nada. Seu legado foram suas idéias. E se hoje, contamos o ano de 2008 de seu nascimento, é porque sentimos que estas idéias eram importantes, que tinha algo mais ali além de palavras. E lutamos para compreende-las até hoje. O Espiritismo é o Consolador prometido, enviado para auxiliar na compreensão das idéias de Jesus. Este é o tema que falaremos hoje, Cristianismo e Espiritismo, a ligação que há entre eles e a forma como este último auxilia o primeiro.

O que sabemos sobre Jesus, está basicamente nos Evangelhos, a parte do Novo Testamento da Bíblia. Como já foi dito, Jesus nunca escreveu nada enquanto esteve vivo. Também nenhum de seus discípulos pensou em anotar tudo o que ele dizia na mesma hora. Suas idéias e conceitos foram transmitidos de boca em boca por mais de 50 anos, quando então o primeiro dos Evangelhos, o de Marcos, foi colocado, parcialmente, no papel. Naquele tempo os judeus viviam tempos difíceis com os romanos, tentaram expulsa-los de suas terras, e o resultado foi o contrário, os romanos é que os expulsaram. É a diáspora, quando eles de dispersam por toda a Europa. Apenas este século é que conseguiram se juntar de novo. Por causa disso, havia muito ressentimento no ar, e em diversos trechos, este é o tom do evangelho de Marcos. Em seguida vieram os de Mateus e Lucas, já quase no final do século I, finalmente veio o de João. Todos eles começaram pequenos, e foram sendo acrescentados de outros textos, pouco a pouco. Na mesma época surgiram diversas outras narrativas, hoje se conhecem mais de vinte. Lucas, no primeiro versículo de seu evangelho nos fala "Tendo por muitos empreendido a missão de por em palavras o que Jesus trouxe até nós", demonstrando aqui que ele não estava só. Os apóstolos originais apenas pregavam, transmitiam de boca em boca, os que escreveram, apenas reproduziram o que ouviram. Claro que nenhum deles ficou ao lado dos apóstolos o tempo todo, de modo que cada um destes textos traz uma parte do conjunto. No século III, os líderes da igreja quiseram criar um texto único para se basearem, assim foi designado um relator, conhecido hoje como São Jerônimo, ele pegou tudo o que havia sido escrito, selecionou o que julgava correto e criou o que chamou-se de Vulgata, ou texto comum a todos os outros. O resto foi considerado apócrifo, e desprezado.
Assim, vemos que muito do que temos hoje, foi mudado, não por má fé, mas simplesmente porque foi transmitido de boca em boca, parcialmente, sem uma base comum, de modo que temos um texto cheio de informações contraditórias quanto aos atos de Jesus, aos milagres, às profecias e às palavras que serviram de estabelecimento aos dogmas. Mas há um ponto comum e pacífico a todos os que se dizem cristãos, que é a sua moral. O ensino moral de Jesus não é discutível, pois ele está mesmo acima da moral dos homens. O Espiritismo vem fortalecer o Evangelho, porque este foi contado na forma de parábolas, estórias, que causaram dúvidas e mal entendimentos.
Quando Kardec iniciou a codificação da doutrina, sabia que uma parte dela seria baseada em conceitos morais, pois havia sido avisado disso. Mas que moral seria essa, uma nova ? não. A moral Espírita é a moral do Evangelho. Não era preciso nenhuma outra, quando Kardec pergunta, na questão 625 do L.E. qual o modelo maior de moral a ser seguido, a resposta é simples e direta: "Jesus". Assim, nada mais nos resta então do que tentar entender o que Jesus nos disse, agora à luz das explicações da Doutrina, e aplicar. Quanto aos outros aspectos dos evangelhos, o Espiritismo abstém-se de dar qualquer opinião, pois são por demais controversos. Claro que se pode estudar estas diferenças, estudar e compreender de onde elas vêm é sempre bom, mas deve-se lembrar sempre que é no progresso moral que residem as maiores conquistas da alma do homem, estas só são obtidas pela prática dessa moral.

Continua...


p/Ednilsom Montanhole

6 comentários:

Cirilo Veloso disse...

Maior objetivo de nós humanos: evoluir moralmente, ou seja, sair desta existência melhor do que quado chegamos.

Tudo de bom e até muito breve.

Carol disse...

Oi Ciro!
Fico feliz por ter vc com agente, espero vc amanha, sem falta !
Fica com Jesus!

Adriana disse...

Muito bom o texto, Carol! Excelente escolha!!

De fato, "o Espiritismo vem fortalecer o Evangelho, porque este foi contado na forma de parábolas, estórias, que causaram dúvidas e mal entendimentos", como afirma o texto. Isso está maravilhosamente exemplificado no "Evangelho Segundo o Espiritismo", através da explicação dos Espíritos Superiores . Mas entendo que Jesus falou por parábolas porque muitos ainda não estavam prontos para ouvir a Verdade. O que, infelizmente, ocorre ainda hoje...

Bjos! ;)

NANDO DAMÁZIO disse...

Muito bom mesmo, quero ler logo a continuação ..

Carol, adorei este texto, eu também sempre tive dúvidas sobre a interpretação daquilo que a gente lê na Bíblia e é bom saber que o Espiritismo vem jogar uma luz de maior entendimento nas Escrituras ..
Sou de família evangélica e a interpretação das parábolas se dá de maneira diferente na Doutrina e na igreja ..
O que importa mesmo é que somos todos cristãos e a fé é a mesma ..
Beijos !!

Carol disse...

Dri...Este texto vem avalizar o que já tínhamos conversado antes, a forma que as pessoas se prende de forma literal do texto bíblico, texto esse que vem sendo modificado ao interesse de alguns, tanto que temos publicações com e sem determinados livros, deixando de lado a essência da transcrição: O AMOR DE JESUS.
Fica com Jesus, um beijo no coração.

Carol disse...

Nandolã – Temos muita sorte de vivermos no tempo no país em que vivemos. O conhecimento e as informações, apesar de tudo, estão de alguma forma acessíveis, quem tiver ouvido de ouvir que ouça, e quem tiver olhos de ver q veja. Um brande abraço meu irmão!