É na combinação destes dois elementos, INTELIGENCIA E MORAL que se baseará a sociedade do futuro. E o Espírito da Verdade já nos fala, em sua resposta à questão 930 do L.E., que numa sociedade organizada pela lei do cristo, ninguém deverá morrer de forme, ou seja, quando este mundo chegar, será bastante diferente do que temos hoje. Já a interpretação espírita do Evangelho evita que este vá a extremos, tanto de um lado quanto outro, não chega no intelectualismo inócuo e evita o evangelismo improdutivo.

A moral do Evangelho, no que ela tem de mais límpido e perene, em todas as latitudes, desde que seja vivida e não apenas sabida de cor, é o mais seguro ponto de apoio para que o homem se torne melhor e mais feliz. Assim, segundo o espiritismo, o Evangelho não é apenas um tratado de fé, um conceito ou idéia para conversa e discussão, mas um modo de vida, motivo de ação regeneradora. Respeitamos o que não pensam dessa forma, mas temos o direito de pensar como queremos. Na verdade, entre aqueles que se dizem cristãos não deveria haver conflito, pois a moral de Jesus se resume no amor ao próximo, preconizado no seu mandamento maior.

Três fatores levam o Espiritismo ao Evangelho:

  • Cultura ocidental, que é mais cristianizada. Existem outros códigos morais de excelente qualidade em outras culturas, mas onde surgiu o espiritismo, a maioria é cristão, assim é mais fácil para todos compreende-la. Ademais nenhum outro sistema tem a envergadura moral fornecida por Jesus.
  • Os espíritos assim dirigiram. Mesmo que se desejasse seguir outras linhas morais, os próprios espíritos que criaram a doutrina direcionaram-na ao cristianismo. Eles sabiam o que faziam.
  • É dinâmica, assim como o próprio Espiritismo. Ela combina direitinho com o espiritismo porque sua essência é de trabalho. Não há resultado sem ação. Assim o é com o Espiritismo.

Quais são os pontos concordantes entre o evangelho e a doutrina.

Primeiramente a existência de Deus. A questão 1 do L.E. inicia perguntando o que é Deus. E a resposta é que Ele é a causa primária de todas as coisas. Quando perguntaram a Jesus qual o maior mandamento, ele começou dizendo o primeiro mandamento da lei de Moisés, "Amarás ao teu Deus de todo coração e todo entendimento" (Mateus XXII:34-40). Também se refere sempre a "Meu Pai que está no céu".


A imortalidade da alma é outro ponto concordante. Nas questões 23 a 29 do L.E., Kardec questiona diversos aspectos sobre o espírito e a alma, as quais são respondidas pelo espírito da verdade como princípio inteligente do universo, e que conserva sua individualidade depois da morte, ou seja, depois de desencarnado a alma é a mesma que quando encarnada. Jesus prega o mesmo conceito ao dizer que para alcançar o reino de Deus é necessário nascer de novo (João III:1-12). E para nascer de novo é preciso que a alma tome forma em novo corpo, dessa forma ela se preserva, é imortal.


Mais um, é a vida futura. Nas questões 149 a 153, Kardec discute a natureza da alma e seu destino, ali fica claro que após a morte, o espírito continua como é, e que procura, algum tempo depois, novo corpo, para poder aprender, até chegar à perfeição. A passagem anteriormente mencionada já ilustra este ponto, ao dizer que é preciso nascer de novo. Mas Jesus vai mais além, quando está sendo julgado perante Pôncio Pilatos, diz que seu reino não é desse mundo (João XVIII:33-37), ilustrando-nos com a idéia que existe muito mais além dessa vida, e que é esse reino que devemos procurar.


O Evangelho prega: "A cada um segundo suas obras" (Lucas XII:47-48), é condicional, portanto, à atitude do indivíduo. Não basta crer em Jesus, devemos fazer o que ele nos mandou. O espiritismo concorda e amplia isso, o capítulo II do livro IV do L.E. fala das penas e gozos futuros, onde ele define que tudo o que recebemos hoje, é conseqüência de nossos atos no passado, e que tudo o que iremos receber no futuro, é conseqüência de nossos atos de agora em diante.


O Evangelho prega: "Buscai primeiro o reino de Deus e sua justiça, e todas esses coisas vos serão acrescentadas" (Mateus VI:33). Quem procede com justiça, honestidade e respeito às leis de Deus pode viver em paz com sua consciência e com o mundo. O espiritismo repete isso ao dizer que é necessária a reforma íntima, na qual procuramos corrigir nossos defeitos, é a tal procura do reino de Deus, estas idéias são apresentadas no L.E. cap. XII livro III. As coisas que nos são acrescentadas não são necessariamente materiais, mas principalmente a paz de espírito e o ânimo para continuar nossa vida, sabendo que com nossos atos estamos plantando para um futuro melhor.


Ensina Jesus: "Buscai e achareis" (Mateus VII:7-11). Para que se ache algo é preciso esforço procurando, se nada fizermos, nada acontece. Na questão 674 do L.E. vemos na resposta: "O trabalho constitui uma necessidade". Assim vemos que não são aceitas atitudes contemplativas, mas ações concretas. É preciso sair a campo, tentar, errar, falhar, mas atuar, quem atua, mesmo que erre muito, consegue mais do que quem não faz nada, este pode não cometer erros, mas também não obtém vitórias. Deus premia apenas aquele que faz por merecer.


Recomenda Jesus: "Pedí e obtereis" (Marcos XI:24). Jesus falava aqui do valor da prece, da oração para Deus, mas é preciso saber pedir. No L.E., pergunta 660 temos a resposta: "O essencial não é orar muito, mas orar bem", orar com justiça e sinceridade, sabendo pedir, não absurdos ou coisas materiais, mas forças para superar as provas e problemas da vida.


Sobre o aprimoramento pessoal, Jesus disse: "Sede perfeitos" (Mateus V:48). Jesus dizia-nos que deveríamos procurar a perfeição, tendo como objetivo principal alcançar a Deus e estar a seu lado. No E.S.E., Cap. XVII item 3 temos aquela que considero a mais bela passagem de toda a codificação, onde se descreve ali os caracteres do homem de bem. Por esta descrição vemos que ele está sempre à procura da perfeição, como ordenou Jesus.

Cristianismo e Espiritismo são uma coisa só. O primeiro veio trazer a base da moral dos homens, o segundo veio explicar como usar esta moral para se aprimorar e ser melhor. Muito há para aprender. Ainda hoje discutimos essa moral, tentando entende-la. No fundo, devemos ter sempre em mente o exemplo de vida de Jesus, que não apenas falava, mas fazia, mostrava. Procuremos seguir seus passos e suas palavras, tornando-nos mais cristãos, contando com todo o apoio do Espiritismo.

Por Ednilsom Montanhole

5 comentários:

Adriana disse...

Maravilhoso. Quisera eu que todos pudessem ler esse texto e compreender a profundidade desses ensinamentos. Espero que esse dia chegue logo.

Beijos, Carol. Adorei!

Sonhos de Crochê disse...

Carol, que bom encontrar teu blog e assim aprender mais e mais com essa doutrina confortadora.
Beijos
Rita

Carol disse...

Oi Rita! A alegria é nossa de poder colaborar de alguma forma com seu aprendizado, eu aprendo muito nesse espaço, e no de outras pessoas como nós que divulgam a Doutrina Espírita. Fico ainda mais Felix em saber que vc é de Pernambuco e uma artista Parabéns! Aquela blusa branca é apaixonante. Beijo no coração!Tô linkando vc!

Carol disse...

Ops! não é Felix,mas sim feliz.
Bjs

Carol disse...

Amiga Dri! Trabalha, ora e confia! É só pra isso que vivo! Luz e paz!