As pessoas e a Prece

Há dois tipos de pessoas que não oram: as que não querem e as que não sabem orar.

Esta pequena crônica vou dedicá-la às pessoas que não sabem orar, sem, entretanto, esquecer as demais.
Os que não aprenderam a orar e até os indiferentes às preces, estão, muitas vezes, incluídos entre as pessoas que rezam mecanicamente sem sequer pensar no que estão dizendo, repetindo infindáveis vezes, as mesmas palavras como quem recita uma poesia que aprendeu na infância.

Muitos não compreenderam que o valor e eficácia da prece está na qualidade de sentimento ao proferirmos a prece. Não necessitamos, de forma alguma, de palavras mirabolantes, do vernáculo irrepreensível, erudito, ou mesmo de fórmulas feitas. Acontece muito com os que estão acostumados a recitar fórmulas de prece, que ao sentirem necessidade de orar, encontram-se em dificuldades. Não sabem o que dizer, nem como "falar com Deus".

Sim, a prece é uma conversa com Deus. Um diálogo da criatura com o Criador. A prece pode ser representada por um pedido, por um agradecimento, por um reconhecimento da bondade divina. Entretanto na maior parte das vezes, lembramo-nos de orar apenas para pedir, o que faz bastante justiça, inclusive com a origem latina da palavra que significa súplica.

A Deus devemos nos dirigir com humildade e confiança. Isto é fundamental.

Precisamos, acima de tudo, nos fazer entender, porquanto a linguagem simples isto facilita. A fala do coração, do sentimento, aquele entendimento perfeito que só as coisas singelas encontram.

A única prece deixada por Jesus foi o "Pai Nosso" e disse mais: " quando orardes, não vos assemelheis aos hipócritas, que se comprazem em orar em pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas para serem vistos pelos homens. Em verdade, vos digo, eles receberam sua recompensa. Mas quando quiserdes orar, entrai no vosso quarto e, estando fechada a porta, orai ao vosso Pai em segredo; e vosso Pai, que vê o que se passa em segredo, vos recompensará. E, orando, não useis as vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo muito falar serão ouvidos. " Mateus cap. 6 v. 5 a 7)

O Espiritismo não aceita preces decoradas por não refletir sentimento, por não conterem as necessidades reais do diálogo. Recomenda que não devemos barganhar ou oferecer troca pecuniária ou de favores em nossas preces.

Uma outra coisa se nos parece necessário aludir nesta pequena crônica: Nem sempre o que se nos parece necessário é o que realmente convém à nossa felicidade. Nem sempre o que pedimos é o que mais nos convém. Deus não dará pedra se pedirmos pão mas "recusa ao filho o que é contrário ao interesse dele" , conforme ensina Kardec.

Nas instruções dos Espíritos contidas no Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. XXVII, 22, encontramos um direcionamento de que nossas preces "devem encerrar o pedido das graças de que tendes necessidade, mas uma necessidade real. Inútil, pois, pedir ao Senhor abreviar as vossas provas, vos dar alegrias e riqueza; pedi-lhes para vos conceder os bens mais preciosos da paciência, da resignação e da fé."(V. Monod. Bprdéus, 1862)

5 comentários:

Du disse...

Carol, eu nunca consegui fazer direito uma oração decorada. O meu jeito de rezar é assim: Ou eu converso com minhas próprias palavras com Deus, nunca esquecendo de reconhecer e agradecer o que recebi de bom no meu dia, ou então eu leio um trecho da Bíblia ou do Evangelho segundo o espiritismo, ou o Livro dos médiuns, ou o livro dos espíritos, depende do momento...

Beijos

Adriana disse...

Muito bom o texto, gostei!

Carol, perdoe-me a ignorância, mas não conheço a autora desse texto "Alethéia Ariem". Quem é? Vc vai colocar mais crônicas dela por aqui? (fica a dica! rsrs)

Bjo! ;)

Carol disse...

Duzinha
Eu me cobro muito orar, acredito orar pouco, não sei... talvez, refletindo suas palavras, eu ore mais que imagine.
Beijos!

Drica
Essa crônica esta lá no Portal Espírita, vamos procurar mais crônicas dessas!

Beijos!

NANA disse...

As vezes, num momento qualquer do nosso dia, naquela hora que lembramos de algo ou alguém, e emitimos aquele pensamento de amor e pedimos à Deus e à espiritualidade que ampare aquele irmão, já é uma prece. Desde que venha do coração e com fé. Talvez o ideal seja aquele instante em que estamos no silêncio, concentrados... E não, aquele instante de barulho, confusões e etc... Mas desde que nos concentremos e tenhamos amor; esteja onde estiver, independente da situação, nossa prece será ouvida.
Beijinhos

Carol disse...

Nana
Creia sempre nisso, orar e confiar!
Um abraço!